Anúncio Oficial

Tratado de Dara – Reconhecimento entre Bugolavia e Guanabara

 

Tratado de Reconhecimento Mútuo e Estabelecimento de Relações Diplomáticas entre a República Popular da Bugolavia e o Estado Livre da Guanabara

 

 

Tratado de Dara

 

As altas partes signatárias deste documento, concordaram com seus termos em negociações previamente estabelecidas e estão dispostos à ratificá-lo após sua assinatura.

 

Disposições Primárias

Art. 1° A República Popular da Bugolavia e o Estado Livre da Guanabara reconhecem um ao outro como Estados Soberanos e Independentes.

Art. 2° A República Popular da Bugolavia e o Estado Livre da Guanabara se comprometem a respeitar mutuamente seus símbolos, identidade cultural e integridade territorial.

 

Da Extensão Territorial

Art. 3° O território da República Popular da Bugolavia, corresponde ao da Transnistria. No Leste Europeu.

Art. 4º O território do Estado Livre da Guanabara compreende a totalidade do território do Estado do Rio de Janeiro, na República Federativa do Brasil.

Art. 5º Reclamações territoriais posteriores de ambas as partes estarão sujeitas a reconhecimento dos Estados.

 

Das Relações Diplomáticas

 

Art. 6º A República Popular da Bugolavia e o Estado Livre da Guanabara estabelecem relações diplomáticas representadas por missões permanentes em ambos os Estados sob os termos da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961.

Art. 7º Os membros do pessoal diplomático da Embaixada deverão, em princípio, ter a nacionalidade do Estado acreditante.

 

Disposições Finais

Art. 8º O presente tratado entrará em vigor na data de sua ratificação por ambas as partes.

 

Assinado em  Dara, 11° dia do mês de Agosto de 2021

 

Criação do Banco Central da Guanabara e do Sistema Financeiro

Banco Central da Guanabara

Rio de Janeiro, 02 de Agosto de 2021.

O Governo do Estado Livre da Guanabara informa aos cidadãos do estado, que a partir da presente data, implementa o sistema financeiro da Guanabara, que será regido pelo Banco Central da Guanabara.

Todos os correntistas poderão realizar transações bancárias e acompanhar seu estrato financeiro.

Como incentivo a participação dos cidadãos, o Banco Central irá realizar pagamentos aos cidadãos por ações dentro da Guanabara e aos membros do Governo, por seu trabalho.

________________________________________

Moeda Digital

A moeda digital adotada pela Guanabara é o Conto (C$) [“Contos” no plural]. E ela é a moeda oficial do estado, portanto ela será a base da economia micronacional.

Cada cidadão, ao registrar em nosso sistema de Cidadania Digital vai receber o equivalente a C$ 1.000,00 (Mil Contos). E poderá usar seu dinheiro como bem entender. Abrindo empresas, tranferindo para outros correntistas, efetuando pagamentos micronacionais e futuramente para adquirir itens e comprar/vender produtos.

________________________________________

Paridade e cotação

O Sistema Bancário define que a paridade dos Contos (C$) para a moeda usada de facto no território da Guanabara que é o Real (R$). O valor fica sujeito a alterações futuras que serão informadas pelo Banco Central da Guanabara. A cotação com data de 02 de Agosto de 2021 é: 1 C$ Conto equivale a 1 R$ Real.

Cotação atual: 1 C$ = 1 R$

_______________________________________

Adilson Requião

Presidente do Estado Livre da Guanabara

Novo Governo toma posse na Guanabara

Neste dia 1 de Janeiro de 2021 um novo Governo tomou posse para o mandato até o fim deste ano de 2021.

O presidente Adilson Requião vai reassumir a presidência do Estado Livre da Guanabara pelo terceiro mandato consecutivo. Ele foi eleito para um mandato de 12 meses.

A grade diferença desta vez será a aquipe que vai participar da gestão da Guanabara durante este ano. Renan Azevedo irá ser o vice-presidente e Mateus Lourenço o Ministro das Comunicações, Wanderley da Silva, Ministro da Defesa e Fabiana Costa a Ministra da Cidadania. O único que vai permanecer no cargo é Tobias Ferreira como Ministro da Economia.

A ceminônia de posse ocorreu na manhã desta sexta-feira no Palácio da Guanabara, sede do Governo.

Guanabara ratifica Tratado de Munique

O Governo do Estado Livre da Guanabara, através de Ministério de Relações Internacionais anuncia assinatura do Tratado de Munique.

Tratado de Munique

Munique, 19 de dezembro de 2020.

O Reino Unido de Portugal e Algarves e a Régia Coroa de Vera Cruz de um lado, e a Comissão Internacional do Tratado de Queluz, a saber, o Reino Unido de Bauru e São Vicente, o Principado de Belo Horizonte, o Império Deltariano, o Estado Livre da Guanabara, o Reino do Manso e o Reino de São Salvador, de outro, fundamentados no firme desejo de pacificar definitivamente e em boa-fé as questões relacionadas à soberania sobre os territórios da América do Sul, designaram os seguintes plenipotenciários para discutir, assentar e assinar o presente tratado:

Pelo Reino Unido de Portugal e Algarves e pela Régia Coroa de Vera Cruz:

Sua Alteza Real & Imperial, Dom Miguel Antônio de Bragança e Feitos, Regente do Reino Unido de Portugal e Algarves, Soberano em Vera Cruz, e

pela Comissão Internacional do Tratado de Queluz:

Sua Majestade Imperial, Guilherme III Luis, Imperador Alemão, etc.,

Sua Majestade Real, Björn IV Nyttland, Rei dos Nórdicos, etc., e

Sua Majestade Real e Paulista, Gustavo I, Rei de Bauru e São Vicente, etc.

que, tendo trocado seus plenos poderes em boa forma, acordaram nos Artigos seguintes:

Art. 1

As Altas Partes Contratantes assumem na coabitação do continente Sul Americano traço comum à realidade da constituição de suas respectivas soberanias, e através do presente Tratado reconhecem-se mutuamente, visando assim assegurar uma convivência pacífica e trazer paz e estabilidade duradouras para a região de que compartilham.

Art. 2

As Altas Partes Contratantes convencionam entre si respeitar de forma permanente e irrevogável suas respectivas soberanias, e a investir na construção de relações amigáveis pautadas no respeito mútuo e na observância dos princípios gerais de direito internacional.

Art. 3

Fica estipulado e definitivamente acordado entre as Altas Partes Contratantes que o Reino Unido de Portugal e Algarves, bem como os demais estados da Confederação Lusitana de Países, com exceção da Régia Coroa de Vera Cruz, nos termos do artigo abaixo, não terão soberania ou reivindicações quaisquer sobre territórios americanos, porém manterá Sua Majestade o Rei de Portugal e Algarves, por motivos históricos, os títulos de Imperador Emérito do Brazil, Duque Emérito de Santa Cruz e Senhor das Índias Ocidentais.

Art. 4

As Altas Partes Contratantes firmam o reconhecimento de suas respectivas soberanias, bem como dos territórios mantidos por cada uma de forma independente e exclusiva, conforme estipulados abaixo. As transferências de territórios entre as Partes, bem como entre as Partes e Estados que não sejam signatários deste Tratado, não estarão automaticamente cobertas pelos reconhecimentos aqui previstos e deverão ser apreciadas por cada uma das Partes de acordo com sua conveniência.

Sob plena soberania da Régia Coroa de Vera Cruz

São territórios atribuídos à Régia Coroa de Vera Cruz os estados brasileiros do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e do Tocantins.

Sob plena soberania do Império Deltariano

O Império Deltariano declara como territórios sob sua plena soberania a Mesorregião do Sul Goiano, no estado brasileiro de Goiás; a Mesorregião do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba e a Microrregião de Paracatu, ambas no no estado brasileiro de Minas Gerais; e as Microrregiões de Cassilândia e Paranaíba, no estado brasileiro do Mato Grosso do Sul.

Sob plena soberania do Estado Livre da Guanabara

O Estado Livre da Guanabara detém em plena soberania os territórios referentes ao estado brasileiro do Rio de Janeiro.

Sob plena soberania do Reino Unido de Bauru e São Vicente

O Reino Unido de Bauru e São Vicente detém em plena soberania os territórios referentes ao estado brasileiro de São Paulo.

Sob plena soberania do Reino de São Salvador

O Reino de São Salvador declara como território uma Ilha fictícia no oceano Atlântico, localizada entre o continente sul-americano e o continente africano, território equivalente em dimensão ao município de Salvador e Lauro de Freitas.

Sob plena soberania do Reino do Manso

O Reino do Manso detém em plena soberania os territórios referentes aos municípios brasileiros de Cuiabá e Chapada dos Guimarães.

Sob plena soberania do Principado de Belo Horizonte

O Principado de Belo Horizonte detém em plena soberania o território correspondente ao do município de Belo Horizonte, no estado brasileiro de Minas Gerais.

Art. 5

Porções do território brasileiro que de acordo com o Artigo acima não estejam sob soberania de nenhuma das Altas Partes Contratantes serão consideradas por todas as Partes terra nullius, ressalvadas as situações em que tais territórios já tenham sido reconhecidos pelas Partes como territórios legítimos de outros Estados não representados neste instrumento.

Art. 6

O Império Alemão e o Reino da Escandinávia garantirão o respeito e a preservação deste tratado, e poderão ser acionados por quaisquer das Altas Partes para auxiliar-lhes em sua implementação ou no cumprimento de seus artigos. O Império Alemão será o fiel depositário deste Tratado, fornecendo as devidas cópias a seus signatários.

Art. 7

Este Tratado vigerá indefinidamente a partir da publicação do instrumento de ratificação por parte de todos os seus signatários. Tais instrumentos deverão ser remetidos a Sua Sereníssima Alteza Imperial o Arquiduque da Áustria, Secretário Imperial de Relações Exteriores alemão, para depósito.

A eventual denúncia deste Tratado por qualquer de suas Partes não implicará de forma alguma na retração ou vacância do reconhecimento mútuo de suas respectivas soberanias.

Assinado em Munique, Alemanha, aos 19 de dezembro de 2020.

Renan Azevedo toma posse como novo governador do Sul Fluminense

Neste dia 30 de Junho de 2020, Renan Azevedo toma posse como novo governador do Sul Fluminense.

Ele passa a ser a autoridade máxima dentro do Distrito do Sul Fluminense. O político, natural de Valença anunciou também a fundação do PRC, o Partido Republicano Cristão. Um partido de centro-direita com ideologia cristã conservadora.

 

Declaração do Tratado de Queluz

O Reino de Bauru e São Vicente, o Império Deltariano, o Reino de São Salvador, o Reino de Manso, o Principado de Belo Horizonte e o Estado Livre da Guanabara, decididos a estreitar suas relações diplomáticas e comprometidos a criar uma aliança de Estados sul-americanos visando o desenvolvimento regional e a ajuda recíproca, anunciam à comunidade interacional que firmaram entre si o Tratado de Queluz, acertado entre as Altas Partes Contratas aos quinze do mês de abril de dois mil e vinte, na cidade de Queluz.

Declaramos a todos, e a quem esta mensagem chegar pedimos que faça correr, o intuito congregador deste Tratado, baseado nos pilares da amizade e da fraternidade entre os Estados signatários, e tornamos nossas motivações públicas:

  1. Sentindo falta de um órgão congregador, decidimos nos unir e discutir a possibilidade de se levantar um tratado;
  2. O tratado assentado busca fortalecer uma América do Sul antes fragmentada e frágil perante incursões externas;
  3. Além de resolver as questões territoriais, delimitando corretamente o início e o fim de cada Estado sul-americano, e assentar um reconhecimento mútuo entre os Estados;
  4. Também se criou mecanismos para realização de intercâmbio dos mais variados tipos para fomentar o desenvolvimento da região; e
  5. Buscando assegurar aos países sul-americanos a possibilidade de consolidarem-se como Estado soberano e independente, ente do direito internacional, firmamos o presente Tratado.

Com profunda alegria e mais nobres intenções, assinamos a presente declaração, feita em 16 de abril de 2020.

Pelo Reino de Bauru e São Vicente, Sua Majestade Perpétua o Rei Gustavo Garcia Longueville Bueno Toniato e Sua Graça o Barão de Mompean e Chanceler do Reino Unido de Baurú e São Vicente Henry Mompean d’Orleáns et Valois.

Pelo Império Deltariano, Sua Majestade Imperial e Real o Kaizer Viktor I wo Violsth e Sua Alteza Imperial o Príncipe de Cæsária Willahelm wo Violsth;

Pelo Estado Livre da Guanabara, Sua Excelência o Presidente Adilson Requião;

Pelo Principado de Belo Horizonte, Sua Excelência o Honorável Alto Chanceler e Ministro de Estado dos Assuntos Externos Lucas Maldonado, em nome de Sua Excelência o Regente do Principado de Belo Horizonte.

Pelo Reino do Manso, Sua Majestade Marina I Campos-Curado-Silva, Rainha Constitucional e Defensora Perpétua do Manso, Sua Alteza o Duque de Esmeraldina e Ministro das Relações Exteriores Igor Oliveira e Sua Excelência o Ministro da Cultura e Tecnologia Milton Costa.

Pelo Reino de São Salvador, Sua Majestade Real o Rei Ezequiel Calebe Teles de Queiroz e Sua Excelência o Ministro das Relações Exteriores Augusto Loren Yaxley.

Tratado de Reconhecimento entre a Guanabara e o Reino de Piratini

 

Tratado de Reconhecimento Mútuo e Estabelecimento de Relações Diplomáticas entre o Reino de Piratini e o Estado Livre da Guanabara

 

Tratado de Cabo Frio

 

As altas partes signatárias deste documento, concordaram com seus termos em negociações previamente estabelecidas e estão dispostos à ratificá-lo após sua assinatura.

Disposições Primárias

Art. 1° O Reino de Piratini e o Estado Livre da Guanabara reconhecem um ao outro como Estados Soberanos e Independentes.

Art. 2° O Reino de Piratini e o Estado Livre da Guanabara se comprometem a respeitar mutuamente seus símbolos, identidade cultural e integridade territorial.

 

Da Extensão Territorial

Art. 3° O território do Reino de Piratini compreende a totalidade dos territórios (a confirmar).

Art. 4º O território do Estado Livre da Guanabara compreende a totalidade do território do Estado do Rio de Janeiro, na República Federativa do Brasil.

Art. 5º Reclamações territoriais posteriores de ambas as partes estarão sujeitas a reconhecimento dos Estados.

 

Das Relações Diplomáticas

Art. 6º O Reino de Piratini e o Estado Livre da Guanabara estabelecem relações diplomáticas representadas por missões permanentes em ambos os Estados sob os termos da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961.

Art. 7º Os membros do pessoal diplomático da Embaixada deverão, em princípio, ter a nacionalidade do Estado acreditante.

 

Disposições Finais

Art. 8º O presente tratado entrará em vigor na data de sua ratificação por ambas as partes.

 

Assinado em Cabo Frio, 12° dia do mês de Fevereiro de 2020

 

Assinatura do Tratado de Llanes

Tratado de Llanes



Este documento ratifica oficialmente no Estado Livre da Guanabara

O presente Tratado terá a duração indefinida e entrará em vigor após a sua ratificação por parte do Parlamento de cada Estado Membro

 

Tratado de Llanes


Art 1- Fica instituida a paridade cambial de 1:1 entre os Estados Membros.

Art 2- A Comunidade usará o seguinte sistema de crédito:
Novo usuário: 20 Moedas
Login diario: 01 Moedas
Crédito por noticia publicada: 05 Moedas
Novo post em forum: 02 Moedas
Resposta a post(400 caracteres min): 02 Moedas
Excluir post do forum: 02 Moedas
Ausencia de login por 5 dias corridos: 50 Moedas

Art 3- Cada Estado Membro manterá uma filial de seu Banco Nacional em cada outro Estado Membro.

a) Caberá aos Bancos Nacionais o transito de moeda entre os Estados Membros.

Art 4- A não aprovação do Tratado por parte de um Estado Membro, tornará a sua permanência como Membro da Comunidade inviável.

Adilson Requião

Presidente do Estado Livre da Guanabara